Painel produzido pelo artista digital Maurício Morais - http://mauriciomorais.blogspot.com/

terça-feira, 19 de abril de 2011

Miura Targa com Teto Fixo

Tratando-se de automóveis, quando ouvimos a denominação “Targa” logo nos lembramos dos carros conversíveis de capota rígida removível. Este tipo de carroceria foi introduzida pela Porsche em 1967, assim como a designação “Targa” que tem origem em uma das mais importantes competições européias, a Targa Florio, realizada na Sicília - Itália, sendo disputada de 1906 até 1975. 

Detalhe: Em 1967, o Porsche Targa não tinha vidro traseiro.


No início do anos 80, ao desenvolver o seu primeiro modelo com motorização dianteira refrigerada a água e tração dianteira, a Besson & Gobbi S.A. escolheu para o modelo este conceito de carroceria e o batizou com a mesma nomenclatura da Porsche: “Targa”.

Miura Targa 1982


Contudo, havia uma diferença estrutural na carroceria desenvolvida pela fábrica brasileira para o Targa, era o “T-Top”. O T-Top é um teto com painéis removíveis em ambos os lados de uma barra rígida fixada no centro de uma barra estrutural (santo-antônio) para o centro de outra barra estrutural (barra do parabrisas). Embora o T-Top estivesse patenteado desde 1951, o primeiro carro de linha a utilizá-lo foi o Corvette Stingray em 1968 e o utilizou até 1982. Utilizaram, também, o mesmo sistema o Camaro, Mustang, Thunderbird, Pontiac Firebird/TransAm, Dodge Magnun (USA), Nissan 300ZX e muitos outros.



Corvette Stingray 1968

Através da análise de alguns materiais publicitários cedidos pelo Sr. Roberto Gobbi, constatamos que foi fabricado um modelo Targa que pode ser considerado por muitos um verdadeiro paradoxo, um Targa de teto fixo!

Como podemos observar, pela foto do material publicitário do modelo 1984, o Targa de teto fixo foi de fato fabricado e oferecido ao público.

Imediatamente, a imagem do folder remeteu a um Targa branco do Rio de Janeiro que desde 2005, quando o vimos pela primeira vez, nos intrigava pelo perfeito acabamento do seu teto fechado. Depois de uma pequena pesquisa o Targa foi reencontrado. Após avaliação do Miura Clube RJ, identificamos que o carro era originalmente azul metálico com interior de couro preto e seu teto não apresentava nenhuma marca de fechamento posterior (laminação), interna ou externa, como é comum acontecer nos tetos removíveis do Targa e no teto solar dos modelos Saga, 787, X8, TopSport e X11.












Apesar das poucas unidades fabricadas em 1984, há registros de Miura Targa com teto fechado (fixo) fabricados em 1986 e 1988.


É importante salientar, para quem desejar adquirir um Targa de teto fixo, que certifique-se sobre a autenticidade do mesmo. Um Targa que tenha sofrido laminação posterior a fabricação, com intuito de lacrar o teto removível, é considerado descaracterizado em relação ao modelo original. Além da desvalorização do veículo a modificação de carroceria, que não tenha sido feita pelo fabricante ou por alguma empresa certificada por ele, o impede de ser avaliado para obtenção da placa preta nos termos da atual regulamentação da Associação Miura Clube do Rio de Janeiro e da FBVA. 

O Miura Clube do Rio de Janeiro agradece ao Sr. Roberto Gobbi, ex-Diretor Comercial da fábrica que muito tem ajudado no resgate da história da marca e ao Sr. Luis Fabiano Oliveira, proprietário do veículo, que permitiu que o avaliássemos.

2 comentários:

  1. gostaria de saber onde posso encontrar guanicoes parabrisa vigia tras. portas pota mala

    ResponderExcluir
  2. gostaria de saber onde posso encontrar guanicoes parabrisa vigia tras. portas pota mala

    ResponderExcluir